TUDO SOBRE A SUSPENSÃO DOS CONCURSOS FEDERAIS

Recentemente, o Governo Federal, abalou as expectativas dos concurseiros pelo Brasil, ao afirmar categoricamente, que dentro das políticas de contingenciamento de gastos, os concursos públicos Federais – em especial aqueles mantidos por verbas do poder executivo – estariam suspensos no ano de 2016.

Esta notícia, se levada a cabo, frustrará a abertura de concursos como da Polícia Federal, Policia Rodoviária Federal, Carreiras em Ministérios… entretanto, não seria capaz, por si só, de afetar os concursos nos Estados/DF, do poder Legislativo e do Judiciário.

Por força de lei não poderia afetar, entrementes, a discussão das politicas orçamentárias é realizada de acordo com os números apresentados por alguns Ministérios, Ministérios estes que estão altamente vinculados ao poder Executivo.

Neste diapasão, temos a economia Chinesa em queda, a alta constante do dólar e a necessidade de cortar gastos, somando estes fatores, teremos um senário difícil pela frente. É de conhecimento público que o Estado brasileiro faz girar a economia, desde os funcionários públicos, que possuem capacidade de compra maior que a média da população, aos beneficiários do bolsa família, absolutamente todos, serão diretamente afetados pelas politicas públicas implementadas.

o cenário que se desenha, não é tendente de melhora nos próximos dois anos.

Os cursinhos bem que estão tentando tranquilizar os concurseiros, para que não desanimem, enfim…, em parte é verdade, possivelmente surgirá concursos no ano de 2016, mas, eu não contaria com um senário repleto de oportunidades. O que veremos, no ano seguinte, é um duelo de titans, poucas vagas para muitos candidatos que veem se preparando há muito tempo.

Boa sorte para quem estava estudando, para os que estão começando, esperem por um milagre. Pra quem está empregado, pensando em conseguir uma vaga pública e não se sente muito preparado, procure especialização em favor do seu serviço celetista, porque o cenário que se desenha, não é tendente de melhora nos próximos dois anos.

OPINE