LIVRO – pai rico pai pobre – CRÍTICA

Pai Rico Pai Pobre é um best-seller, e muito provavelmente você já ouviu ou mesmo leu este livro. Se você já leu, nos ajude com suas impressões, se não continue lendo este artigo para entender se vale a pena ou não adquirir este volume.

Criticas sobre livros são difíceis, na verdade cada um de nós tem um gosto muito particular. Entretanto, dentro dos livros de auto ajuda, conhecimento, investimento ou mesmo contadores de história, Pai Rico Pai Pobre é um diferencial.

Os autores do livro, Robert Kiyosaki e Sharon Lechter contam a história de vida de Robert de um jeito descontraído. Mas enfim, em linhas gerais Pai Rico Pai Pobre nos leva a pensar sobre o tipo de vida que levamos.

Não importa o que você é na vida, professor, advogado, médico, empresário, você sempre poderá ser um rato, um medíocre, alguém que não consegue administrar aquilo que é seu e tem uma vida regada a prejuízos e infelicidades.

Por outro lado, você pode ser um analfabeto, mas entendendo o que é a corrida de ratos, você terá a oportunidade de se ver livre da vida passiva, mesmo sem renda você poderá constituir ativos, ou seja, investimentos auto sustentáveis. Noutras palavras, você será capaz de fazer seu dinheiro trabalhar para você.

Um exemplo marcante no livro é o que chamamos de ostentação, quem gasta mais, um brasileiro de classe média que investe 60 mil em uma festa de casamento ou um bilionário que gasta 10 milhões?

Friamente, o bilionário gasta mais, contudo proporcionalmente, o impacto financeiro provocado pelo investimento será muito maior no cidadão de classe média.

Enfim, eu comprei, li e achei o máximo. Acredito muito nas lições, pois elas são práticas.

Não se endivide com passivos, pelo contrário invista sempre em ativos. Qual é a real noção disso?! bem você só saberá lendo esta bela obra.

Mateus Santana

Graduado em direto pela Universidade Católica de Brasília, em Teologia pela faculdade Phiapi, é amante de tecnologia, filosofia, fotografia e cinema.

OPINE