CRIANÇAS-BONECAS ESCRAVAS SEXUAIS. boato ou realidade?

Não continue este artigo se não tiver estômago forte.

Recentemente uma notícia de que em alguns países famílias miseráveis venderiam seus filhos por algumas centenas de dólares têm chocado o mundo. Grandes empresas de comunicação tem se negado tratar do assunto, por acreditarem ser apenas boato da internet, mas a informação contidas na rede sobre estes casos são alarmantes, ao que tudo indica, é possível mesmo que por uma margem pequena, que estes fatos grotescos estejam realmente acontecendo.

boneca humana 2Estas crianças Bonecas sexuais humanas, geralmente possuem de 8 à 10 anos, (acredita-se que elas são encaminhadas a centros cirúrgicos clandestinos, onde seus membros são retirados e substituídos por próteses de silicone e seus dentes arrancados e no lugar imitações de borracha, as cordas vocais também são retiradas.

As crianças continuam vivas, depois de transformadas em boneca seriam encaminhadas ao comprador juntamente com um manual de uso explicando como alimentá-la e realizar as demais necessidades, seu prazo de validade seria de 1 ano, após este períodos as crianças poderiam morrer sem mais garantias.

O caso mais famoso envolvendo bonecas sexuais foi o da ” Lolita Slave Toys”. Um membro anônimo do 4chan, que se intitulava hacker publicou no fórum o printScreen o endereço da Onion e a forma de entrar no site. A página era apenas uma imagem explicando como adquirir sua “boneca”, quando Pussymonster percebeu que havia sido descoberto, tratou de apagar todo o tipo de rastro antes que qualquer detetive virtual chegasse ao seu paradeiro.

As únicas duas imagens, alteradas ou não, que estão disponíveis na grande maioria das páginas que relatam o fato, são estas duas.

E ai, será apenas uma história ou existem de verdade pessoas inescrupulosas capazes de cometerem tais atrocidades? escravas sexuais são comuns inclusive em países de primeiro mundo, já foi retratado em novelas brasileiras, será que seria tão surreal tais atos com crianças? Deixe seu comentário.

OPINE