Assistimos o Filme 50 T. de C. – CONTAMOS TUDO – sem restrições

Figura1

Desde já informamos que, para quem não leu ou assistiu ao filme acabaremos com toda a emoção, pois contaremos toda a trama, portanto não continuem se não quiserem estragar a surpresa, avisados!

Nossa avaliação se pautará em ROTEIRO, INTERPRETAÇÃO e CRÍTICA. Faremos uma matéria a parte sobre MODA, muito presente em todo o filme.

ROTEIRO

O desenrolar do roteiro foi bem escrito, pois havia um certo ceticismo sobre como o filme se desenvolveria e felizmente, para nós foi uma grata surpresa percebermos que, no fim das contas este filme não se tratava de uma produção semi-pornográfica, embora haja muitas cenas picantes.

O filme começa com a entrevista que Ana faz com o Sr. Gray, completamente perdida, pois estava substituindo sua amiga jornalista. Ana faz a entrevista toda intimidada pelo poder da presença do Sr. Gray, como as perguntas não são interessantes o suficiente para o Sr. Gray, este fica mais interessado em conhecer Ana do que propriamente nas perguntas feitas.

Quando Ana vai embora, ele toma as outras perguntas que deveriam ter sido feitas por ela, sem que Ana perceba. Quando ela chega em casa, tenta disfarçar para sua melhor amiga o impacto sentimental que teve na entrevista, mas não consegue.

Ele ficou intrigado com a presença daquela moça que parece uma matuta, se veste mal, autoestima zero, completamente alheia ao mundo em que ele vive. Como ela não havia tirado nenhuma foto da entrevista, Gray concede esta oportunidade, nesta ocasião referida trocam telefones.

Certo dia enquanto Ana está trabalhando como vendedora em uma loja, ele aparece de repente para comprar cordas e fitas, ela fica toda atônita com a visita. Ele há convida para sair, embora demonstre um pouco de resistência, Ana aceita o convite, mas nada acontece.

Em outra ocasião, Ana está em uma festa com os amigos, ele liga para ela querendo saber onde Ana se encontra. Quando o álcool já subiu à sua cabeça, seu amigo lhe faz uma cantada, meio que forçando a barra, nesta hora ele chega e empurra o amigo intrometido. Ele a leva para sua casa, pois estava muito bêbada; eles dormem na mesma cama, Gray tira a roupa dela, coloca outras roupas, pois suas roupas estavam sujas de vômito, mas nada acontece, exceto o primeiro beijo quando ela já estava para entrar no elevador para ser levada para casa.

Após alguns presentes como notebook, vinho, em um dos diversos encontros que tiveram, na casa dele, ela confidencia que é virgem, ele diz que resolverá este problema, partem para a primeira transa do filme. No outro dia ela acorda como se o mundo houvesse mudado, radiando alegria enquanto prepara o café da manhã para ambos.

Idas e vindas após, ele conta sobre sua singularidade, lhe apresenta um segundo contrato onde possui as regras de como e quando farão sexo, o que é permitido e o que não dentro de um possível acordo entre as partes, Ana e e Gray. Ela passa um bom tempo enrolando com a resposta; um dia ele faz uma amostra grátis, há leva para um quarto vermelho dentro de sua casa, onde parece mais um centro de tortura fashion. Com uma chibata, ele a faz ter muitos prazeres, pois tudo é lúdico, ao estilo do universo de sex-shop, ela fica completamente esgotada, a ponto de desmaiar.

Neste ínterim ela conhece a mãe dele em uma manhã, sua mãe bastante surpresa pelo fato desta ter sido a primeira mulher que ela viu acompanhando seu filho, há convida para um jantar em sua casa. Existem especulações sobre a opção sexual dele entre as mulheres.

Ana meio que sem querer querendo conta que viajará para a casa da sua mãe, ele não gosta muito, enquanto ela estava lá, manda uma mensagem dizendo estar com saudades dele, ele responde que também estava, mas que jantaria com sua amiga. (Exatamente uma amiga que agiu com pedofilia com ele entre seus 15 a 21 anos, ensinando todas as técnicas de sadomasoquismo, e que embora não bastasse toda esta história, ainda conservavam uma amizade). Ela fica toda enciumada.

No outro dia, enquanto ela toma café com sua mãe em outra cidade ele aparece de repente, uma grata surpresa, Gray a leva para uma base aérea, e a conduz para um passeio em um ultra-leve, avião sem motor, algo incrível. Esta sequência de imagens, talvez seja a mais bela de todo o filme, fantástico. Após ela conhece a família dele, irmão, pai e mãe adotivos.

Gray leva-a para casa, no contrato que ela ainda não havia aceitado, existia uma cláusula que proibia ela de fazer contato físico nele. Ana fica insistindo em ter um relacionamento mais comum, sem êxito, em meio a esta briga ela pede para que Gray mostre os castigos, Ele leva Ana para o quarto vermelho e com uma espécie de palmatória, dá seis chibatadas bem fortes nela, enquanto as lágrimas escorrem dos olhos azuis de Ana em dor.

Após isso, ela diz que não quer que ele a toque nunca mais, vai para um quarto reservado mantendo distância dele, de noite ele aparece e Ana esta convicta de que não quer mais sua presença perto dela, no outro dia ela devolve um carro que havia ganhado, um notebook e se despede, entra no elevador, ele vai correndo atrás dela antes que as portas se fechem, Ana com uma voz firme e forte diz para que ele não insista. Gray diz Ana, ela responde Gray em lágrimas e o filme acaba. Seco, seco, seco, seco, Neste momento as luzes do cinema se ascendem e vemos as manifestações das pessoas, muitas amando outras xingando dizendo que este é o pior filme de todos, por que de fato ele acaba bem seco.

INTERPRETAÇÃO

A interpretação do Sr. Gray é fantástica, o ator conseguiu passar um ar de superioridade no filme, voz firme, boa dicção, vestimenta impecável, exaltação em cenas mais fortes no limite. Consegue nos mostrar que o Sr. Gray chegou onde chegou, não por acaso, com um corpo bem definido, arrancou suspiros das mulheres quando é apresentado pela primeira vez sem camisas, mais suspiros ainda quando em uma das cenas é possível ver a região abaixo do tanquinho cheia de pêlos – se é que me entendem -. Com carrões como Audi A8, R8, também é piloto de aviões e helicópteros. Bastante sedutor embora tenta passar a imagem de que não é romântico; ouvi uma mulher dizer, com certeza trocaria chocolates e rosas por um passeio de helicóptero.

Ana, sem poupar elogios, consegue fazer o papel da virgenzinha ingênua que sabe exatamente o que quer, Gray. Ela não se importa pelo fato dele ser rico e poderoso, ela é uma apaixonada boba, que sede aos caprichos dele enquanto eles satisfazem os dela, a partir do momento que o prazer não é recíproco ela vai embora. Talvez por este fato, dele não conseguir exercer controle o tempo todo sobre ela, Gray se envolve tanto.

SEXO

Existem muitas cenas de sexo, com o corpo dela todo a mostra, isso mesmo e o dele também, em diversas ocasiões eles ficam completamente nus, e a única parte de seus corpos que não são mostrados, são seus órgãos sexuais em close, porque de um ângulo ou outro é bastante claro, as previsões que deveriam haver cerca de 20 minutos de sexo aqui expostas, foram assertivas.

CRÍTICA

Como inúmeros outros filmes o objetivo deste é angariar lucro, e por este motivo ele deixa a história um pouco romântica durante um certo tempo, para que, quando o filme fique realmente interessante acabe de repente, fazendo com que as pessoas fiquem extremamente interessadas no próximo filme. Arrisco dizer que este filme deverá lucrar algo em torno de $500 milhões de dólares e no próximo talvez chegue perto da cifra de $ 1 Bilhão.

Existe um elemento filosófico muito interessante, o Sr. Gray a trata de maneira Hobesiana, – Thomas Hobbs filósofo – por mais que ele interaja muito tempo com ela, Gray dificulta a aproximação de Ana da sua vida particular e dos traumas de sua infância. Ele foi adotado aos 4 anos de idade, sua genitora era uma viciada em drogas, aos 15 a melhor amiga de sua mãe faz dele seu escravo sexual.

Diante de tantos elementos interessantes, este filme não é exatamente um drama, ou um romance, é meio parecido com Crepúsculo de certa forma, e perdoe-nos de suas críticas quem não vê tal semelhança.

Portanto em uma avaliação da nossa equipe damos a nota 4,5 do total de 5 possíveis.

OPINE